Associação de Surdos da Ilha de S. Miguel
Terça-feira, 25 de Março de 2008
E OS PAIS ESTÃO PREPARADOS?

Para lidar com a nova lei? Para se assumirem como parte integrante das novas regras? Para exigirem os direitos dos seus filhos surdos? Estão?



publicado por asism às 00:39
link do post | comentar | ver comentários (5) | favorito
|

Quarta-feira, 12 de Março de 2008
Decreto-lei Nº 3/2008. Estão os Açores preparados?

Podem aceder ao decreto, por exemplo, aqui.

Chamamos a atenção a dois pontos que consideramos fulcrais.

1- No Capitulo I, Artigo 2º, nº 4;

2 - No Capitulo V, Artigo 23º. E neste artigo destacamos o nº 5 que refere os docentes que devem existir nas escolas de referência, no que aos cidadãos alunos surdos respeita:

a) Docentes com formação especializada em formação especial, na àrea da surdez, competentes em LGP (docentes surdos e ouvintes dos vários níveis de educação e ensino), com formação e experiência no ensino bilingue de alunos surdos;

b) Docentes surdos de LGP;

c) Intérpretes de LGP;

d) Terapeutas da fala.

Pergunta-se: Como é que vai ser o próximo ano lectivo nos Açores para os alunos surdos?

Já se percebeu que pais e professores se esquivam a comentar. Mas outros que queiram contribuir para o debate são bem vindos.



publicado por asism às 17:45
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

Terça-feira, 4 de Março de 2008
NINGUÉM QUER CONTRIBUIR PARA O DEBATE. CONTINUEMOS

Achamos estranho que nem professores nem pais tenham até agora comentado. Mas somos capazes de compreender. A visita que fizemos à escola de Vila Franca do Campo foi muito frutífera. Ensinaram-nos muito. Voltaremos lá para a semana.

Ninguém comentou nem a Direcção Regional de Educação nos respondeu. O que já não achamos estranho.

A questão que se punha era sobre a taxa de sucesso escolar do cidadão surdo nos Açores. Estamos informados, sem que seja informação exacta, que só uma cidadã surda frequenta actualmente a universidade. O que denuncia algo acerca da tal taxa.

O ideal seria que o cidadão surdo, logo que detectada a  sua incapacidade auditiva, depois dos seis meses a um ano, começasse a ser iniciado na linguagem gestual. Para que depois no 1º ciclo do básico se tornasse um bilingue competente, devidamente instruído . E a partir do grau seguinte, sempre sendo um cidadão incluído ,  evoluindo com intérprete na sala, em cada disciplina. Não faz sentido ter um professor a debitar matéria numa sala onde há alunos surdos, sem que haja um intérprete. Se o não houver o que faz lá o aluno? Não ouve, não entende o que o professor está a ensinar. Sente-se excluído. Irrita-se e desinteressa-se do ensino. Se não houver um intérprete de LGP em cada sala de alunos surdos, não há inclusão: há exclusão. Sem intérprete como é que ele pode apreender o mesmo que os outros? E com que sucesso?

Ficamos a aguardar comentários. Podem ser anónimos já que há tanto titubear.



publicado por asism às 19:48
link do post | comentar | ver comentários (6) | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Março 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


posts recentes

DIVERSIDADES

LUTAR PELOS DIREITOS DOS ...

BOM ANO DE 2010

HOJE HOUVE ELEIÇÕES

OS ALUNOS SURDOS NA TERCE...

JÁ SE ENSINA LINGUA GESTU...

RECOMEÇOU A ESCOLA

O CAMINHO FAZ-SE CAMINHAN...

REUNIÃO COM PAIS DE ALUNO...

ACTIVIDADES

arquivos

Março 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

tags

todas as tags

links
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds